Votações

Depois de o nosso “querido governo” ter alterado sorrateiramente a lei para impedir as reformas antecipadas, ostensivamente para não por em risco a execução orçamental para este ano, o céptico de serviço ali ao lado fez questão de demolir essa justificação. Nos comentários que se seguiram, existe um onde se lê que

.: Anónimo :.

«O líder da oposição [A.J. Seguro] é, para mim, o exemplo de tudo o que um político não deve ser»

Eu penso que esta frase indica bem o problema, mas talvez não como pretendias🙂

O problema é que se vê a oposição como uma, e não como uma data delas. É por isso que a política portuguesa tem sido um ping-pong entre PS e PSD, jogo no qual cada um faz mais m**** do que o anterior porque sabe que um ou dois mandatos mais tarde volta a ser a sua vez. São ou o governo ou “a oposição”.

Há uma data de partidos, e o nosso sistema político admite governos de coligação. Distribuam melhor os votos, tirem aos partidos a garantia de um poleiro façam o que fizerem, e eles forçosamente terão de dar mais ouvidos aos eleitores.

Aqui está uma boa solução, que nem precisa de protestos nem manifestações nem nada de semelhante para ser implementada. Basta que no dia das eleições 1) vão votar (muito importante); e 2) não votem nem em branco (ou nulo), nem em nenhum dos três partidos que nos meteu nesta embrulhada, a saber: PSD, PD e CDS. Ao contrário do que a comunicação social implicitamente transmite, a verdade é que existem 19 partidos legalmente reconhecidos em Portugal. Bem repartidos os votos, dava para constituir uma assembleia muito mais pluralista, que representaria muito melhor o eleitorado. No melhor dos casos, essa pluralidade faria com que apenas obtivessem maioria parlamentar aquelas decisões que realmente beneficiem o país. No pior, pelo menos teríamos um parlamento onde o poder já não saltaria entre PS e PSD (ou entre quaisquer outras duas facções), o que obrigaria os partidos a lutar pela representação parlamentar, ao invés da situação actual, onde esses dois partidos a têm por garantida—com o consequente acumular de disparates sucessivos, que todos infelizmente testemunhamos.

One response to “Votações

  1. Quem paga tem o direito de exigir educação, saúde, justiça e segurança de qualidade, compatível com sua contribuição como pagador de impostos. Tem também o direito de saber como e quanto paga de impostos, para poder exigir a contrapartida. A transparência dos impostos e dos gastos é dever do Estado e direito do cidadão. É isso que permite aos cidadãos competirem por uma vida melhor.