Sanidade

À semelhança do Kenny, eu também não gosto de escrever sobre política, mas desta vez tem que ser. Neste post do De Rerum Natura, vem este comentário:

[…]

José Sócrates governou quatro anos com maioria absoluta e agora ano e meio com os orçamentos aprovados. Sempre disse que estava tudo bem. Agora surge de repente a dizer que estamos à beira do naufrágio e é apenas desajeitado? A única solução razoável era mesmo o governo ser demitido. Vai-nos custar caro? Vai. mas mantê-lo seria ainda mais caro. E Sócrates também não queria lá estar sabendo que o dinheiro e o crédito acabaram.

O chumbo do PEC IV foi um dos poucos sinais de sanidade mental na política deste país nos últimos tempos.

Subscrevo por inteiro.

7 responses to “Sanidade

  1. Yep. Por várias razões, a mais importante das quais é dita no trecho que cito: o PM andou, sabe-se agora, repetida e deliberadamente a distorcer factos para pintar uma realidade do país que só existia na cabeça dele. Isto é razão mais do que suficiente para o afastar do poder. Caso contrário ele continuará a fazer o que tem feito até agora, perpetuar-se no poder, independentemente do número de distorções da realidade que tiver que causar para esse fim (e assim não há PEC que nos valha).

    Não me interpretes mal: o PSD chumbou o PEC por razões puramente egocêntricas. Mas, apesar de ter sido pelas razões erradas, tomou a decisão correcta.

  2. O PEC IV será a base negocial com o FMI. O PSD chumbou o PEC porque achou as medidas curtas. E se vires o que tem acontecido desde que o PEC foi chumbado – aumento das taxas de juro, reconhecimento das empresas de rating da m*rda que estão a fazer, PSD a prometer aumentar o IVA… – É óbvio que isto ia acontecer com a demissão do PM. E nem vou falar do PR, que não tem ajudado _nada_

    E Portugal foi o terceiro país da Europa com as medidas de austeridade mais agressivas, e caiu na mesma, porque há mais de 10 anos que a economia portuguesa tem vindo a estagnar, ao contrário de Irlanda e Espanha onde isso só aconteceu no cenário de crise.

    Não digo que o Sócrates seja inocente, mas ele fez o que podia com os meios que tinha, sendo que quando ele tinha maioria absoluta havia sinais de melhora no mercado (isto está documentado, em 2009 pensava-se que a crise estava a passar até a Grécia ter… enfim. :S), e teve sempre maioria relativa neste mandato. Isso implica que teve de negociar com quem o derrubou todos os pacotes de austeridade!

    Rebatendo o que é dito: Teve em ano e meio orçamentos aprovados com algumas medidas impostas pela oposição PSD-CDS. Disse que estava tudo bem por razões mais do que óbvias! O nosso excelentíssimo PR veio dizer antes de venda de dívida pública (no dia antes) que Portugal estava numa situação terrível, será que isso não afastou possíveis compradores? (Na verdade não porque a dívida estava já toda ‘falada’, but you get the point).

    Chumbar o PEC colocou-nos quase em pré-falência. Onde chegaremos em não muito tempo. As empresas de Rating baixaram o nosso por causa da instabilidade política, não económica (essa é a desculpa, na verdade tem-se demonstrado que isto não passa de um ataque ao Euro), os juros (a 10 anos, a referência) aumentaram devido a essas empresas privadas de rating e aos cenários aterradores que economistas Portugueses têm ido prever para o FT… economistas de direita, claro! : )

    O nosso estado social, um dos melhores do mundo, vai cair, e o PSD é que vai lucrar com isso. É preciso perceber que quem manda na economia dos países da zona Euro são as economias dos países do norte-europeu, sendo elas que dão as regras do jogo.

    Como exemplo final digo que se o BCE não tivesse uma política económica de direita (não interferência nos mercados, para este caso concreto), poderia comprar dívida directamente aos países a, digamos, 4% (antes da crise 4% era um excelente negócio) os investidores ao saberem que nunca iam ter melhor juros iam comprar sempre que a dívida chegasse perto dos 4. O ataque ao Euro nunca teria hipótese de sucesso.

    Terminando, o PSD vai muito provavelmente governar com o PEC IV que chumbou. lol.

  3. mas ele [Sócrates] fez o que podia com os meios que tinha

    Não, não fez! Quando ele foi eleito em 2005, eu que não votei nele, pensei que pelo menos ele trouxesse para o governo algo que durante muitos anos faltou escandalosamente: autoridade. E de facto, assim foi. Mas para mal de nós todos, não teve (nem tem) a inteligência para governar como deve ser: ele começou bem, com boas ideias, mas a coisa descambou muito depressa (e não digo isto com qualquer orgulho ou satisfação).

    Quanto ao PR, não sei que pensar. Não sei que poderes ao certo ele tem, mas pelo que tem dito nos últimos tempos, mais valia estar calado. Se calhar nem valia a pena ter o presidente, e ter antes um modelo como existe nos US.

    Teve em ano e meio orçamentos aprovados com algumas medidas impostas pela oposição PSD-CDS. Disse que estava tudo bem por razões mais do que óbvias!

    Como me diziam há uns tempos, o PS só é de esquerda quando está na oposição: desde de que está no governo tem sido um governo de plena direita. E são essas razões, que têm tanto de óbvias como de erradas, que me fazem dizer que ele devia ter sido afastado do governo há muito. Tal podia ser sem a demissão do governo, mas para isso era preciso que ele não fosse um agarrado ao poder.

    Por último, o chumbo do PEC IV apenas adiou o inevitável. Sim era melhor um modelo que tivesse o BCE como travão à voragem dos mercados, e sim, nós enquanto nação temos *muita* culpa pela situação em que estamos, mas nada disso elimina o problema fundamental (e que alimenta esse polvo financeiro que são os “mercados”): não podes ter uma moeda comum sem uma política orçamental comum. E sendo eu um europeísta extremamente anti-federalista, nunca poderia aceitar que se estabeleça tal política. Resumindo, apesar de radical, começo a pensar que talvez não fosse má ideia Portugal sair do euro (mais sobre isto aqui -> http://www.investingdaily.com/id/18549/portugal-should-leave-the-euro.html (o link está indisponível agora, mas pode ser que entretanto venha acima :X)

    Terminando, o PSD vai muito provavelmente governar com o PEC IV que chumbou. lol.

    Sim mas Deus nos livre de que o faça com maioria absoluta, ou com os tão badalados “consensos alargados”. O FMI tem o poder que o parlamento lhe der. E como eu não me revejo no actual modelo económico, que subverte o poder político, vou votar em quem o queira mudar para um modelo onde a democracia mande no mercado, e instituições como o FMI sejam desnecessárias. Change is never easy, but it’s damn well possible!

  4. Mas o PS adopta medidas de direita porque a tal é obrigado pela UE, que é quem tem ‘aconselhado’ as medidas de austeridade, pois ganhou essa autoridade com o Tratado de Lisboa, que terá certamente de ser revisto em 2 ou 3 anos, pois já se está a ver que vai falhar.

    Portugal sair do Euro pode ser bom por um lado, pois teremos controlo da moeda, mas o facto é que ninguém vai usar essa moeda, ninguém! Ficaríamos pior que em 1892 (sendo que estou a ser pessimista, porque realmente se tudo corresse bem, recuperávamos em menos tempo, mas também só conseguiríamos adiar, pois só conseguiríamos pagar juros).

    Uma política económica de direita favorece sempre os mais fortes, terminando com o estado social (temos um dos melhores do mundo) e seja qual seja o partido eleito vai ter obrigatoriamente de fazer o que foi decidido com Bruxelas, pois não há outra forma. Com o PEC IV ainda tínhamos poder negocial, sem ele não temos. O FMI vai fazer o que quiser connosco, vamos perder durante dezenas de anos a credibilidade dos mercados e vamos levar com multas poderosas dos nossos ‘aliados’ europeus para eles passarem a mensagem que é caro recorrer ao FEEF (que é basicamente o FMI).

    Os juros a 10 anos subiram 4 pontos desde que o PEC foi chumbado. Se tivesse sido aprovado de certeza que os ratings das nossas empresas públicas e bancos não tinha descido para lixo, e seguramente que os juros não teriam aumentado tanto.

    Finalmente, indico que a Grécia tinha juros mais baixos quando recorreu ao FMI e agora estão nos 22%, sendo que já tem 60% de hipótese de falência. Desta vez não há uma entrada na UE que nos salve. =\

    Os juros espanhóis a 10 anos subiram 2 pontos numa semana, e os belgas também tiveram uma subida. Portanto o Euro vai cair.😡

  5. Porque dizes que o Tratado de Lisboa vai falhar? Eu até ficava contente que esse fosse o caso, mas não estou a ver as razões pelas quais dizes isso.

    Sim existe o risco muito real de, saindo do euro, ninguém usar a nossa (a não ser nós mesmos). Mas isso dará o estímulo para que finalmente se comece a produzir o necessário para sermos minimamente auto-sustentáveis. E se isso não for totalmente possível (cenário mais provável), então terás que fazer algo que acrescente valor, e que possas trocar. E quando esse for o caso, finalmente começar-se-à a ter crescimento económico. E de finalmente sermos economicamente INDEPENDENTES, em vez de ter os alemães e companhia a tratarem-nos como se trata uma criança de 8 anos que se portou mal.

    Os juros a 10 anos subiram 4 pontos desde que o PEC foi chumbado. Se tivesse sido aprovado de certeza que os ratings das nossas empresas públicas e bancos não tinha descido para lixo, e seguramente que os juros não teriam aumentado tanto.

    Isso é esconder o problema. Eu aqui corro o risco de dizer algum disparate, porque estou no limite do meu conhecimento, mas o estado enquanto entidade soberana, não devia sequer endividar-se, muito menos com estrangeiros. Quando e se for preciso injectar dinheiro na economia, o estado deve fazê-lo emitindo mais moeda, sem se endividar e sem ficar sujeito à cobrança de juros. De contrário obriga-se o estado a comportar-se como uma empresa, que tem que dar lucro. Tal mata o conceito de estado social, e este se calhar ainda é o menor dos problemas… Não estou a dizer que emitir moeda seja a salvação para todos os males, não o é, e tem associado o risco grave de fazer disparar a inflação (vê o que fez o Mugabe). Mas é melhor do que entregar os destinos do país à banca estrangeira.

    Finalmente, indico que a Grécia tinha juros mais baixos quando recorreu ao FMI e agora estão nos 22%, sendo que já tem 60% de hipótese de falência. Desta vez não há uma entrada na UE que nos salve. =\

    Os juros espanhóis a 10 anos subiram 2 pontos numa semana, e os belgas também tiveram uma subida. Portanto o Euro vai cair.😡

    Como dizia Feynman, a realidade deve ter precedência sobre as relações públicas, porque a natureza não pode ser enganada. Se crias um sistema em que o único objectivo do polvo é aumentar o lucro, vai ser mesmo isso que tal criatura vai fazer, all the rest be damned. Quem semeia ventos…