Ainda sobre o tabaco

Depois de me ter explicado veementemente (links em inglês) sobre o porquê e a importância de proibir o fumar em lugares públicos fechados, ora eis que aqui vai mais uma “acha para a fogueira”. Há mais de um ano, quando se começou a discutir sobre a nova legislação anti-tabágica que se avizinhava no horizonte, essa mesma discussão despoletou no meu antigo departamento. E não fosse aquele um departamento de informática, depressa a discussão tomou conta das mailing lists. E justamente ao pesquisar por aquelas, encontrei um mail datado de 19/12/2006 (!!), onde um antigo professor explicava mais uma vez a mesma coisa: porque não se deve fumar em lugares fechados. O texto é claro, e cita factos, pelo que o reproduzo aqui (as boas fontes de informação devem ser disseminadas ;-)) O email é reproduzido na íntegra (mas foi retirada a citação de um mail anterior de outra pessoa; este mail era um reply).

Obviamente que podemos e devemos proibir vícios (ou quaisquer outros
comportamentos) de umas pessoas quando eles afectam negativamente a
vida de outras pessoas.

O que está aqui em causa não é a liberdade dos fumadores fumarem. Os
fumadores podem fumar ao ar livre e em suas casas.

Para além de se querer fazer cumprir a ler, o que está em causa é a
saúde dos não fumadores.

Relembro que fumar mata. Vejamos alguns dados:
– De acordo com os últimos dados, morreram 8400 pessoas em Portugal
no ano 2000 por motivos relaccionados com o fumo do tabaco. Dessas,
457 nem sequer eram fumadores. Isto é, eram fumadores passivos [1].
Para comparação, morreram esta ano perto de 1000 pessoas nas estradas
Portuguesas. Ou seja, fumar mata 8 vezes mais do que nas nossas
perigosíssimas estradas.

– Na Europa toda, morrem mais de 19000 pessoas por ano por serem
fumadores passivos. [2]

– O fumo de tabaco contém mais de 4000 substâncias químicas, 40 das
quais podem causar ou favorecer o aparecimento de cancro [2].

– Aliás, o fumo do tabaco expirado pelos fumadores e respirado
passivamente pelos não-fumadores é mais tóxico, por ser mais rico em
monóxido de carbono e substâncias não-queimadas do que o próprio fumo
respirado directamente pelos fumadores. [2]

– O fumo de tabaco é tão claramente mau para os não fumadores que a
Organização Mundial de Saúde (WHO) declarou já em 1988 que “all
citizens have the right to smoke-free air in enclosed public places
and transport”. [3]

Dá que pensar, heim?

Cumprimentos,
Pedro Bizarro

Referências:
[1] “Smoking and Passive Smoking in the EU – Data per Country”
[2] “Impact of Passive Smoking in the EU – Overview”
Ambos disponíveis em:
http://pt.help-eu.com/pages/index-lst_dos-REPORTS.html

[3] WHO, “The Charter Against Tobacco, 1988”,
http://www.euro.who.int/AboutWHO/Policy/20010927_9

2 responses to “Ainda sobre o tabaco

  1. Pois é mas com leis de cácá cm diz o Sr Vitor do ALtios os impostos aumentam, e uma coisa q ñ concordas é esta nasces cm um numero e morres cm um nº, e cm tal á pala dos não fumadores la temos de pagar mais € plo noxo vicio, Portugal sucks!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  2. Mas afinal, há dados *concretos* que mostrem o aumento (ou indiquem o futuro aumento) dos impostos devido a lei do tabaco? E se realmente concordas com esse argumento dos números, então porque não, por exemplo, acabar com as leis laborais de todo? Afinal de contas, se a saúde não conta para nada, a economia anda muito melhor se todos formos workaholics e não ligarmos puto à saúde… ai sim é que imagino uma rapida descida dos impostos… à custa de tudo o resto, but who cares, somos todos números!

    E já agora, o Sr Vitor não era a favor da proibição de fumar em sítios fechados?